Novo endereço

Este blog mora em outro endereço. Acesse +Cartas e Reflexões Proféticas e divulgue, por gentileza!

Pesquisar este blog

sexta-feira

Bin Laden tinha razão: Bush e Obama são terroristas


Israel usou armas químicas contra os palestinos e os Estados Unidos apoiaram. Agora, os Estados Unidos pagaram mercenários para usar armas químicas na Síria para justificar uma guerra, acusam o governo e preparam uma intervenção. As imagens abaixo são do uso de armas químicas por Israel.


Querido Bispo Frank de Nully Brown

Obrigado pelo envio de sua mensagem a meu e-mail. Alegrei-me com o compromisso de sua Igreja Metodista Argentina com a paz no Oriente Médio e com o protesto que faz contra a guerra e o bombardeio eminente que o governo de Barack Obama dos Estados Unidos se prepara para empreender contra o povo sírio. 

Minha alegria se prende também ao fato de a Igreja Metodista Argentina continuar o projeto de fidelidade histórica aos princípios wesleyanos de compromisso social. Parabéns Bispo Frank de Nully Brown por esse engajamento político libertador de sua igreja e de seu episcopado.

O senhor sabe que aqui no Brasil a Igreja Metodista traiu sua história, principalmente a parte da história sublinhada por pessoas como o pastor João Parayba Daronch da Silva, que combateu a ditadura de frente quando ocupava o cargo expressivo de Secretário Geral de Ação Social, que lhe permitia dialogar com Dom Helder, Dom Paulo Evaristo Arns e outros pacifistas ecumênicos, profundamente engajados na luta social pela democratização do País e na denúncia contra o barbarismo das torturas nos porões onde os covardes atacavam pessoas desarmadas e inocentes. O senhor sabe que parte de sua igreja aqui no Brasil participou do terror golpista e que gente como a família Sucasas, entre elas o bispo César, eram comparsas espiões da ditadura militar, que colaboraram para a prisão de alguns dos membros jovens e trabalhadores, que militavam em frentes de luta contra a opressão. Porém, sua igreja contou com grandes personalidades marcadamente progressistas como o bispo Almir dos Santos, que viveu em Cuba e odiava os gringos americanos, como ele mesmo dizia. O bispo Paulo Ayres, confuso muitas vezes, mas que honrou sua origem como negro e filho de empregada doméstica, sendo incômodo à casta burguesa que dominava essa instituição no País. Outro bispo de inesquecível memória, que crescia como expressão nacional e internacional, graças ao seu compromisso com os pobres e com a luta progressista pela retomada da democracia e pela construção da justiça social, o angolano, bispo Isac Aço, morto em acidente de trânsito no Rio Grande do Sul, honrava a missão profética do Reino de Deus. 

Infelizmente, querido Bispo Frank, a Igreja Metodista, desde as crises do final da década de 60, se encaminhou para os braços de um pentecostalismo alienado, pietista e antissocial, abandonando todo o respeito de que gozava, seu Credo Social e seus sonhos de luta. Seus concílios gerais são pautados por conservadorismo e pela retirada de todas as relações mais avançadas e ecumênicas. Seus bispos, na grande maioria, são medíocres e seus discursos são chavões evangélicos superficiais, que descontextualizam Jesus, retirando-o do mundo histórico, jogando-o num celestialismo bestial e sem sentido. Os altares de seus templos viraram palcos de músicas barulhentas, alienadas e sem nenhuma referência bíblica, teológica e social séria. Alguns bons teólogos e pastores são relegados ao empobrecido campo da educação, cujas instituições são verdadeiros antros de disputa por um poder em si, sem vida eclesial. Há pouco tombou em São Paulo um de seus melhores, o meu amigo Dr. Elias Boaventura, que colocou um advogado da universidade metodista de Piracicaba a me defender na prisão da ditadura. 

Porém, da Argentina de Chê Guevara e do Papa Francisco levanta-se a voz profética dos bispos da Igreja Metodista. Nesta voz vocês protestam contra a invasão da Síria pelo banditismo dos Estados Unidos. 

Não concordo com o terrorismo de Bin Laden e de sua Al- Qaeda como método de luta contra o imperialismo opressor dos povos. Mas em duas coisas Bin Laden tinha razão: uma, os Estados Unidos são o império do mal. O traidor dos negros, dos pobres e da paz, o fanfarrão presidente Barack Obama é um covarde servidor do terrorismo dos Estados Unidos, espalhados pelo mundo inteiro. A serviço das poderosas, insanas, diabólicas e desumanas corporações americanas do petróleo e do ouro, joga milhares de jovens e de dólares roubados de todo o planeta em cima do Iraque, do Afeganistão e da Líbia para destruir as conquistas de seus povos e de suas riquezas. Agora o lacaio dos poderosos, prepara a Otan para despejar destruição e morte sobre crianças, mulheres, trabalhadores, idosos e o povo sírio. 

Felizmente, pessoas corajosas como o senhor, os bispos eméritos argentinos e milhões de pessoas no mundo, como na Inglaterra, se mobilizam contra a associação com os criminosos de Obama, ao ponto de constranger o Parlamento Inglês a não aprovar a dança da morte promovida pelos assassinos do norte da América.  


Bin Laden também tinha razão ao entender que os Estados Unidos deveriam ser varridos do mundo. É verdade, como potência imperialista destrutiva do mundo devem ser destruídos. O mundo não precisa de impérios arrogantes e do mal. A diferença de luta, no entanto, está no fato de que a paz é o único caminho justo de emancipação dos povos, pela justiça social, pelo fortalecimento dos blocos como os do Sul-Sul, Unasul, Cone Sul, Brics e outras parecerias de cooperação entre os povos e banir alianças com o império da guerra, da destruição da humanidade e do planeta. O povo trabalhador, os negros, os pobres, os chicanos, os exilados nos Estados Unidos precisam se unir para salvar o povo de lá das garras e patas do destruidor prepotente. Não há o menor cabimento um País arrogar-se xerife do mundo e decidir o que é bom e o é que ruim para os outros. 

Sei que há pessoas que não concordam com a linguagem frontal que adoto aqui contra os opressores. Respeito-as, mas não vejo como usar de luvas de pelica com quem derrama bombas mortíferas contra crianças, velhos, mulheres e trabalhadores, no afã de incendiar o mundo. A única gentileza viável com os opressores e bandidos que destroem o mundo é a da verdade. Também é bobagem jogar a bunda para cima e socar a cabeça no chão para pedir que Deus vá lá sensibilizar o bandido mor Barack Obama. A única oração válida é a da luta unida contra o opressor, sem alienação e sem falsa piedade, típica dos preguiçosos. “Reza reza” não leva a lugar nenhum.

O exercício de interpretação em práticas corretas do que pensava o desesperado Bin Laden é o de entender quem é o inimigo principal hoje: é o imperialismo estadunidense e sua besta fera jogando fogo pelas ventas, a Otan. Doe-me sempre recordar a destruição do Iraque – antiga Babilônia histórica – do Afeganistão, da Líbia construída sobre o deserto, que se enriquecia para seu próprio povo e de tantas vidas promessas de futuro para a humanidade, sem depender da estupidez do inimigo dos pobres e dos povos. Agora esse pusilânime e bobo empregado da ganância das petroleiras sionistas e americanas, Barack Obama, novamente, como seu antecessor e incapaz mental para o cargo, Georg W. Bush, ainda hipocritamente diz que está em dúvida se ataca ou não a Síria. Claro que já decidiu, sem personalidade e sem força política, invadir a Síria e matar seu presidente Bashar La Assad.

Parabéns Bispo Frank e à sua Igreja Metodista Argentina, que não se aliena, não se vende ao neoliberalismo, que não trai os oprimidos nem a Jesus, que não segue a agenda da nefasta teologia da prosperidade, que enriquece bispos, pastores e igrejas coxinhas em cima de um povo miserável e pobre, como aqui no Brasil. 

Abaixo posto com prazer a “Declaração da Igreja Metodista Argentina em face do eminente ataque estadunidense à Síria.” 

Abraços críticos e fraternos na luta pela justiça e pela paz.
Dom Orvandil: bispo cabano, farrapo e republicano.

*********************************************************************************
Declaración de la Iglesia Evangélica Metodista Argentina ante el inminente ataque a Siria

En consideración de los hechos sucedidos en los últimos días en torno al conflicto que desangra al país de Medio Oriente, la IEMA repudia un posible ataque militar estadounidense sin aval de la ONU


Los conflictos bélicos que se suceden en el Medio Oriente, liderados por los Estados Unidos  con el apoyo de Gran Bretaña y Francia,  han estado afectando la frágil paz en el mundo. En nombre de la libertad muchos miles de personas han perdido la vida y muchos otros han quedado sin hogar ni esperanza.

Con falsos argumentos se invadió a Irak y, nuevamente, con argumentos sin confirmación se justifica lanzar ahora un ataque contra Siria. Nuevamente se ha obviado recurrir a las Naciones Unidas. Además pareciera que el silencio o el apoyo de la familia Abrámica (Judíos, Islámicos y Cristianos) acompañara esta cruel aventura bélica, que es un pecado atroz e imperdonable ante Dios, la humanidad y la historia.

Como Iglesia Evangélica Metodista Argentina y parte del pueblo que aboga por una paz verdadera, urgimos a los responsables de un posible ataque, para que recapaciten sobre las consecuencias a que nos puede llevar una conflagración que cercenará vidas inocentes y puede convertirse en una herida social sin cura.

Los países cuya herencia cristiana parecen haberla dejado a un lado, olvidan que el mandamiento del “No matarás” sigue vigente y urgente y que Jesús  anuncia como un desafío: “Bienaventurados los pacificadores, porque serán llamados hijos de Dios” (Mateo 5: 9).  

Obispo Frank de Nully Brown
Obispo Emérito  Federico Pagura
Obispo Emérito Aldo Etchegoyen
Obispo Emérito Nélida Ritchie


As 10 postagens mais acessadas

Postagens antigas

Seguidores deste blog

Curta e compartilhe

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato