Novo endereço

Este blog mora em outro endereço. Acesse +Cartas e Reflexões Proféticas e divulgue, por gentileza!

Pesquisar este blog

sábado

Quando um homem deixa de ser homem? Quando não assume suas patifarias. Esse é caso enojante de Marconi


Os negócios de Demóstenes e Cachoeira em nome de Perillo





A revista Época divulgou novas conversas telefônicas interceptadas pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo que, no final de fevereiro, deslindou a infiltração do crime organizado no governo de Goiás.

Nos áudios, encontra-se fartura de trechos inéditos - e explicitamente reveladores, sobretudo sobre o envolvimento do governador Marconi Perillo (PSDB) com o esquema liderado pelo contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e pela construtora Delta. Entre outras novidades, há diálogos em que se diz que Perillo "mandou passar" à Delta um contrato que poderia render R$ 1,2 bilhão.

Nas gravações, descobre-se, ainda, que um irmão de Perillo, chamado Antônio Pires Perillo, ou Toninho, tinha um celular Nextel habilitado nos Estados Unidos para conversar com Cachoeira - e que Toninho prestou serviços a ele.

Numa das ligações, Cachoeira pergunta onde Toninho está. Toninho diz que está na saída de Goiânia. Diante de um convite de Cachoeira para encontrá-lo na sede da Delta Construções, Toninho foi rápido: "Vamos agora". Em outro telefonema, Cachoeira demonstra intimidade com ele. "Toninho, você me chamou aqui e desligou o telefone. Tá parecendo aquelas biscates", diz Cachoeira.



Em outro trecho divulgado pela revista, o ex-senador Demóstenes Torres liga para Cachoeira e diz que tem um "recado" de Perillo para transmitir a ele. Diz Demóstenes: "Fala, professor. O seguinte: tava precisando falar com você. Ou se você não puder, manda o Wladmir (Garcez) falar comigo. Não é nada daquele assunto, não. É outro, que apareceu agora. É um recado do Marconi. Precisava te passar" (ouça o áudio). Cachoeira pergunta se Demóstenes está em Goiânia. "Tô aqui", diz Demóstenes. "Se você puder vir aqui... Se não puder, manda o Wladmir que eu explico o que é." Cachoeira não titubeia: "Vou aí agora então".


Noutros diálogos, cita-se Perillo como responsável por ordenar, por intermédio do ex-senador Demóstenes Torres (ex-DEM), que o diretor do Detran no Estado, indicado por Cachoeira, contratasse uma empresa (Politec) de um amigo do governador.



Segundo a investigação da PF, as articulações do governo, no ano passado, para implantar o VLT em Goiânia ficaram comprometidas porque o contrato fora dirigido para a Delta. Num diálogo interceptado no dia 30 de março de 2011, Garcez narra a Cachoeira uma conversa mantida com o presidente da Agência de Transportes e Obras Públicas (Agetop) e tesoureiro de Perillo na campanha de 2010, Jayme Rincón. Nesse diálogo, segundo Garcez, Rincón disse que o governador escolhera a Delta para administrar as obras. "O governador já tinha falado com ele (Rincón) sobre o negócio do VLT e que é pra passar o negócio pra Delta", afirmou.




Em entrevista a revista Época, Rincón disse não ter conversado com Garcez sobre o VLT: "Não tem a menor consistência. Nem se cogitava o VLT. Esse assunto não é afeito a minha área". Questionado por que ele participara da reunião com Perillo no início da semana, para tratar justamente desse assunto. Rincón afirmou que acompanha temas de infraestrutura do governo goiano e que a única participação da Agetop será ceder funcionários para elaborar uma carta-consulta ao BNDES.

Fonte: Mais Goiás

As 10 postagens mais acessadas

Postagens antigas

Seguidores deste blog

Curta e compartilhe

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato