Novo endereço

Este blog mora em outro endereço. Acesse +Cartas e Reflexões Proféticas e divulgue, por gentileza!

Pesquisar este blog

sexta-feira

Boris e os garis

Sexta, 8 de janeiro de 2010, 08h06

Marcelo Carneiro da Cunha

De São Paulo

Estimados leitores, bem-vindos a 2010 e à alma do Boris Casoy. Pois foi a ela que tivemos acesso no último dia 31 de dezembro, quando ele, sem saber que o áudio do programa que apresenta continuava sendo transmitido, falou as suas famosas linhas "que merda, dois lixeiros desejando felicidades...do alto de suas vassouras... dois lixeiros... o mais baixo na escala do trabalho".
Pois eu discordo, estimado jornalista Boris Casoy. Naquele momento, foi o senhor quem representou o que existe de mais baixo na escala do trabalho, que é ser dotado de um desrespeito profundo por quem trabalha, e muito duro. E isso, como eu sei, o senhor sabe, a torcida do Corinthians e o senhor aqui ao lado sabem, foi uma vergonha.
Mas, como também bem o sabemos todos nós, o senhor não está sozinho. Dias atrás, um CEO de um dos maiores grupos de comunicação no Brasil disse que sua empresa tratava igualmente "desde os mais importantes até os mais irrelevantes" colaboradores. Bom, para esse neto da minha avó Jovita, se eu considero alguém irrelevante, seguramente não o considero igual aos mais importantes, concordam?
O Boris Casoy mostrou que pensa exatamente do mesmo jeito. Alguns são importantes, outros são irrelevantes, tão irrelevantes que não deveriam sequer ter a permissão para apresentar seus desejos de feliz ano novo a todos nós, brasileiros, em especial aos mais importantes.
Pois eu, estimado Boris, que me considero muito, mas muito importante, ao menos aqui na minha luxuosa laje de Pinheiros, recebi com muito agrado os votos de felicidade dos dois garis. Mas, posso assegurar, que jamais convidaria o senhor sequer para um Grapette com Cheetos, por mais importante que o senhor seja. Por que o senhor, e sua fala confirma, é mau. Aliás, o senhor é de direita, o que, aqui em casa, dá quase no mesmo.
Na verdade, Boris Casoy traz à tona o eterno debate sobre a relação das classes sociais no Brasil. Boris Casoy expõe o que um setor da classe mais poderosa pensa das demais classes, todas elas as mais baixas, para eles. E precisamos pensar nisso, todos nós.
Porque se o Brasil representa a possibilidade de uma democracia racial, e, quem sabe ainda um dia, uma democracia social, esse pensamento do Boris precisa ser um pensamento minoritário e deslegitimado em nossa sociedade. Precisamos deixar claro que o repudiamos, mesmo que compreendamos que ele existe. Precisamos afirmar, publicamente, que um gari, um motorista, um porteiro, mesmo que ocupando degraus mais baixos na escala salarial (e aqui estão mencionados um motorista e um porteiro porque dois representantes dessas categorias tiveram participações centrais em grandes eventos políticos recentes no Brasil) não são, nunca serão, o mais baixo na escala que importa, que é a escala da cidadania.
O pensamento elitista e discriminatório está entre nós, e isso é uma infeliz consequência da soma da nossa imperfeição com nosso passado escravocrata. Temos que admitir, temos que lutar contra. E o fazemos. Dos 361 comentários sobre o episódio Boris e os garis, que li em um portal, UM apenas defendia Boris, de alguma forma. De alguma maneira, a nossa cidadania foi ativada, e para o lado certo, nesse episódio triste.
Poderia ser pior. Outro jornalista igualmente de direita, igualmente poderoso, igualmente desconhecido em sua alma, nos mostrou a sua verdade de maneira muito pior, assassinando a sangue frio uma jovem que teve o azar de o repelir. E assim como Boris Casoy parece escapar com apenas um pedido sem graça de desculpas, Pimenta Neves, assassino confesso está até hoje em liberdade e isso sim, é uma vergonha, das que doem em todos nós.
Boris Casoy falou o que muitos falam, mas teve contra si o fato de fazê-lo em público e ser um daqueles arautos da moralidade, com seu bordão "Isso é uma vergonha". Assim como bispos e bispas, esses arautos, frequentemente, são vítimas de sua própria inconsistência e da sua própria imoralidade, amplificada pela pureza que aparentam.
Nesse caso, ganhamos todos, até mesmo os garis, que seguramente estão até agora recebendo o apoio de todos os como eu, indignados com essa maldade gratuita. Eles não perderam nada e preservaram a sua dignidade. A eles, o meu aplauso, o meu pedido de que sigam sendo os mesmos e desejando felicidades a todos, mesmo os mais importantes.
É por aí que vamos ultrapassar esses preconceitos mais idióticos que ainda nos assolam, e é por aí que vamos equilibrar grandes atos, como a eleição de um presidente operário, com os pequenos atos que definem o nosso cotidiano.
E para todos vocês leitores, de um sujeito nada, mas nada importante mesmo, por mais que apregoe o contrário, os meus mais sinceros desejos de um super 2010, para todos, todos, todos. Menos o Boris.



Marcelo Carneiro da Cunha é escritor e jornalista. Escreveu o argumento do curta-metragem "O Branco", premiado em Berlim e outros importantes festivais. Entre outros, publicou o livro de contos "Simples" e o romance "O Nosso Juiz", pela editora Record. Acaba de escrever o romance "Depois do Sexo", que foi publicado em junho pela Record. Dois longas-metragens estão sendo produzidos a partir de seus romances "Insônia" e "Antes que o Mundo Acabe", publicados pela editora Projeto.

As 10 postagens mais acessadas

Postagens antigas

Seguidores deste blog

Curta e compartilhe

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato