Novo endereço

Este blog mora em outro endereço. Acesse +Cartas e Reflexões Proféticas e divulgue, por gentileza!

Pesquisar este blog

sexta-feira

É justo solidarizar-se com a Palestina em frente da Globo

Ativistas pró-Palestina farão ato político em frente à Rede Globo em São Paulo

Depois de vigília em Higienópolis ser dispersada com truculência pela Polícia Militar, novo ato pacífico, neste sábado, manifestará solidariedade às vítimas dos bombardeios israelenses sobre Gaza.
por Redação RBA publicado 18/07/2014 09:45 
 
12 / 13
Ativistas de Porto Alegre se manifestam contra a ofensiva militar de Israel em territórios palestinos

São Paulo – Ativistas contrários à ofensiva militar de Israel contra palestinos refugiados em Gaza, que já soma 10 dias de bombardeio aéreo em represália a foguetes disparados contra cidades israelenses, convocam novo ato político em defesa da Palestina neste sábado (19), a partir das 13h, em frente à sede da Rede Globo, na zona sul da capital paulista. Será o segundo ato em São Paulo contra a política de segregação em relação às populações árabes originárias de onde foi fundado o estado de Israel, em 1948; na primeira oportunidade, ontem (16), uma vigília marcada pela comunidade muçulmana e simpatizantes da causa palestina na zona oeste da capital acabou sendo dispersada pela Polícia Militar, que chegou a dar tiros para o alto para encerrar o ato.

Com lenços e bandeiras da Palestina, o público do ato paulista acendeu velas e rebatizou a praça do cinquentenário de Israel de "Praça Palestina Livre". Líderes religiosos estiveram presentes, assim como jovens islâmicos que vivem em São Paulo e jovens da periferia paulista que se uniram nesta atividade. Judeus e rabinos também se somaram ao ato como forma de demonstrar que são contra a violência promovida pelo estado israelense, que tem vitimado crianças, mulheres e homens sem ligação com o Hamas ou os ataques realizados a Israel.

A nova manifestação será realizada em frente à Rede Globo para simbolizar o apoio da mídia ocidental, alinhada ao discurso norte-americano para a tensão entre Israel e os estados muçulmanos no Oriente Médio, aos atos de guerra contra o povo palestino. Segundo a ONG Stop the Wall, até ontem o número de mortos na Palestina pelos bombardeiros de Israel somava 220 pessoas, com mais de 1,5 mil feridos.
Entre terça e quarta (15 e 16) atos similares foram realizados em Brasília e Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul. Na sexta-feira passada (11), houve vigília no Rio de Janeiro, mas o protesto gaúcho foi o maior a ser realizado do início ao fim, sem incidentes.

Porto Alegre

Grandes críticas foram direcionadas, durante todo o ato em Porto Alegre, à empresa de tecnologia israelense Elbit, que constrói artifícios militares no país e tem acordos com o governo gaúcho e com universidades do estado. Humberto Carvalho, do Comitê Gaúcho de Solidariedade à Causa Palestina, apontou que não é possível que o Brasil, “onde há uma colônia enorme de palestinos que colaboram com o país” mantenha relações com Israel.

Por isso, ele acredita que são necessárias ações para pressionar internacionalmente Israel e lembrou que os ativistas pró-palestina não são antissemitas e não têm nada contra o povo judeu, mas sim “contra o governo e a direita israelense”. “É uma limpeza étnica. Todos nós conhecemos a história do Holocausto, mas hoje o governo de Israel faz com os palestinos o que os nazistas fizeram com judeus”, ponderou.

Três ativistas independentes levaram uma faixa com os dizeres “Stop genocide in Palestina” (Parem o genocídio na Palestina) e colaboraram na organização, mesmo sem pertencer a nenhuma entidade, por acreditarem na causa. Eles souberam do ato no Rio de Janeiro, acontecido sexta-feira passada (11) e consideraram importante Porto Alegre também receber um. "Essa solidariedade demonstrada aqui já ajuda, mas precisamos pedir para o Brasil cortar relações om Israel", disse Alexandre Lentz.

Fábio Pereira, que soube da situação na Palestina quando estudou História, em 2007, conta que “as coisas só pioraram” desde então. “Esse acordo de tecnologia com a Elbit é preocupante, porque nós não queremos aparecer como colaboradores e contribuintes do massacre”, destacou. Para ele, a melhor forma de se mudar a situação é muitos países se pronunciarem e se disporem a colaborar.

Durante o ato, balões das cores da bandeira palestina foram distribuídos e, colocados em cima da bandeira, jogados para cima. A pequena Layla, de 8 anos, era uma das pessoas que estava entregando os balões. Ela contou que o pai veio da Palestina e a família atualmente mora em Sapiranga, de onde acompanha os acontecimentos em Gaza. “Eu vi fotos de crianças mortas e de militares batendo em crianças”, contou, com tristeza.

De todos os cartazes presentes, que pediam o fim do genocídio e a interrupção dos acordos brasileiros com Israel e demonstravam apoio, um chamava atenção. Apesar de pequeno, o pedaço de cartolina de Marian Pessah fez tanto sucesso que ela foi convidada a subir no carro de som para se pronunciar: “Sou judia e sou contra todo tipo de genocídio”, dizia.

As 10 postagens mais acessadas

Postagens antigas

Seguidores deste blog

Curta e compartilhe

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato