Novo endereço

Este blog mora em outro endereço. Acesse +Cartas e Reflexões Proféticas e divulgue, por gentileza!

Pesquisar este blog

segunda-feira

A armação imperialista contra a Venezuela vem de há tempo



mperez

LibreRed / Radio Sul
As estratégias do governo dos EUA e suas agências para financiar a oposição política venezuelana para derrubar a Revolução Bolivariana sempre tiveram o mesmo objetivo: proteger os interesses ou "negócio" de Washington.
Esse objetivo ficou claro nos documentos que a Embaixada dos EUA em Caracas foi enviado para a Secretaria de Estado ea Casa Branca, revelados pelo site Wikileaks.
Durante os 15 anos de revolução e da embaixada dos EUA agências têm trabalhado no recrutamento de militantes, o desenvolvimento de "programas sociais" e desembolso de fundos para partidos de direita para incentivar a ação contra o Governo.
O objetivo de derrubar Hugo Chávez, para acabar com a Revolução Bolivariana, tornando a busca agora por qualquer meio, a saída do presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, que desde que assumiu o cargo em abril de 2013 tem enfrentado como pegar ações especulação de alimentos de preços, inflação e violência induzida, mais recentemente, de grupos fascistas que aspiram para derrubar seu governo.

Estratégia contra a Venezuela

Entre os documentos revelados pelo Wikileaks um relatório emitido pelo conselheiro político da embaixada dos EUA em Caracas, Robert Downes, chamado "Cinco pontos estratégicos da equipe do país para apoio ao programa da Agência dos Estados Unidos de Desenvolvimento é Internacional (USAID, por sua sigla em Inglês). "
O relatório delineou os pontos estratégicos para o período 2004-2006, ou seja, a partir da Revolução Bolivariana venceu o referendo revogatório até as próximas eleições presidenciais estão resumidas.
Esses cinco pontos foram: fortalecimento das instituições democráticas, a base política penetrar Chávez Chávez divisão, proteja o negócio vital dos EUA, e isolar Chávez internacionalmente.
Essas ações foram feitas principalmente pelo Escritório de Iniciativas de Transição (OTI) da USAID.
Entre 2004 e 2006, a OTI deu US $ 15 milhões para 300 "organizações da sociedade civil", sob a cobertura de programas de educação em direitos humanos.
Para "penetrar na base e dividir a Chávez", a embaixada dos EUA trabalhou para se infiltrar em organizações populares. "O IOT veio diretamente a cerca de 238 mil adultos através de mais de 3.000 fóruns, workshops e sessões de formação (...) oferecendo oportunidades para interagir com ativistas da oposição de Chávez, com o efeito desejado de Chávez los lentamente", diz texto.
OTI também fundou 34 organizações não-governamentais (ONGs) para penetrar organizações e municípios criados programas para se intrometer em grupos locais e gerar descontentamento em relação a questões específicas, como serviços básicos, entre outros.
Para "isolar Chávez" nível internacional, OTI que usou sua influência em ONGs de outros países da região e os EUA. Também financiou a expedição da oposição venezuelana para outras latitudes para desenvolver a campanha contra a Revolução Bolivariana.
"Civicus, uma aliança global de organizações não governamentais, colocou a questão da Venezuela em sua breve Sociedade Civil Assista lista de países de interesse", diz o documento.

Captura de militantes nas universidades

Um segundo cabo, datada de fevereiro de 2008, também classificado por Downes, revela uma reunião realizada por membros de grupos universitários direita com um representante da USAID.
A reunião, envolvendo principalmente os membros da Associação de Estudantes de Direito da Venezuela (Fedeve) foi realizada em 9 de fevereiro de 2008, a casa de Carlos Tinoco, em Mérida.
Os participantes mencionados Lawrence Castro, da Universidade dos Andes, em Mérida e então presidente da Fedeve, também, Lestor Toledo, da Universidade de Zulia e ex-presidente da Fedeve Dorian Gonzalez da Universidad de Los Andes, em Mérida e então presidente da união dos estudantes, e Ziamar Castillo, em que o presidente da época da Lei União dos Estudantes da Faculdade de Estado de Bolívar Universidade Andrés Bello Católica.
O grupo de coordenadas foram Tinoco e cientista político Carlos Ponce.
Na reunião com o representante os EUA, falou sobre eleições universitárias de fevereiro de 2008, considerada importante para a embaixada do EUA, e os fundos de embaixada USAID e para o desenvolvimento de uma Convenção Nacional, a comissão aprovou chamado "The estudantes e profissionais do direito ", e que terá lugar em Maracaibo.
O grupo de "estudantes" fundos solicitados para o conselho de outros movimentos, especialmente na Europa de Leste, e também a realização de seminários sobre a "promoção da democracia" e iniciar um programa de rádio.

Ações antes de referendo 2009

Outro cabo revelado pelo Wikileaks é um relatório chamado "referendo sobre limites de mandato presidencial: o que está em jogo", datado de janeiro de 2009.
O texto, dividido pelo conselheiro político para os EUA Embaixada Caracas Daniel Lawton, refere-se a ações a serem tomadas por os EUA para fechar o referendo Fevereiro de 2009 sobre a proposta de emenda constitucional para permitir a reeleição de funcionários públicos indefinidamente.
Considerou-se como um "momento decisivo" para a Venezuela, entre outros motivos, porque se a revolução venceu diplomatas dos EUA antecipou a reeleição de Chávez em 2012, e que foi uma preocupação.
No caso de uma derrota da revolução, estimava-se que haveria uma erosão na Chávez: que "os líderes ambiciosos" desafiaria a presidente, mas apenas refere-se a Henri Falcón, que curiosamente se tornou a oposição política em fevereiro de 2010 (um ano mais tarde). Além disso, o estudo das figuras melhorar e Carlos Henrique Capriles Ocariz dentro da oposição havia vencido o governo de Miranda e prefeito de Sucre, respectivamente, poucos meses antes.
Ele também falou de usar os recursos da USAID para apoiar "grupos da sociedade civil, incluindo grupos de alunos."

Mais dinheiro

Outro relatório que saiu é chamado de "Solicitação de fundos para ajudar a fortalecer os governos locais e grupos da sociedade civil", em seguida, classificadas pelo encarregado de negócios da embaixada dos EUA em Caracas, John Caulfield.
Este arquivo, datado de março de 2009, afirma que, após as eleições regionais e municipais, em 2008, a Venezuela foi elaborado um novo mapa político ", que oferece oportunidades para aumentar o alcance do governo dos EUA, a nível local."
A embaixada dos EUA, em seguida, considerou que US $ 7 milhões destinados pelo Washignton para financiar a oposição venezuelana em 2009 eram insuficientes.
Portanto, adicional de 3 milhões são convidados a chegar a um total de US $ 10 milhões só em 2009.
Destes, 5.000.000 seria usado para "levar a democracia", apoiando os governos locais. O trabalho seria feito nos municípios selecionados.
Outros 4 milhões seriam alocados para "apoiar a sociedade civil." Com isso a financiar ONGs e partidos políticos para promover "o movimento estudantil."
O outro milhão foi para "apoio eleitoral", como as eleições legislativas no final de 2010.

O pedido pode

Outro relatório divulgado pelo WikiLeaks, de setembro de 2009, revela uma reunião de representantes de Washington em Caracas deputados à Assembleia Nacional Ricardo Gutiérrez, Juan José Molina e Ismael Garcia, que festa.
Nessa reunião, antes das eleições legislativas de 2010, García pediu a intervenção dos EUA na Venezuela.
De acordo com o texto, classificado pelo conselheiro político da embaixada Robin Meyer, representante os EUA disse na época que "os EUA não é intervir na Venezuela", à qual Garcia respondeu: ". Agora é a hora de começar"
Podemos também solicitou fundos para criar um cabo de televisão ou internet.
Publicado em: Capa

As 10 postagens mais acessadas

Postagens antigas

Seguidores deste blog

Curta e compartilhe

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato