Novo endereço

Este blog mora em outro endereço. Acesse +Cartas e Reflexões Proféticas e divulgue, por gentileza!

Pesquisar este blog

sexta-feira

Um testemunho da história revolucionária brasileira, um herói e exemplo

Marco Damiani _247 – José Ibrahim. Ele passou por mim, caminhando calmamente, há três semanas, cruzando as ruas Henrique Schaumann e Cardeal Arcoverde. Fui atrás. Com dois passos regulamentares de distância, me certifiquei de que o homem de cabelos inteiramente brancos, traços finos, cordato, como se reafirmou em seguida, era mesmo ele.

- Zé Ibrahim?

- Sim, tudo bom?

Ele havia ido até o posto de gasolina em que eu estava para comprar cigarros da sua marca preferida. Me chamou para caminhar com ele até o bar mais próximo, onde estava sua mesa, diante da televisão ligada no jogo de futebol, e uma cerveja mantinha-se ainda gelada. Serviu-me um copo e passei a lhe fazer perguntas, personagem vivo da história do Brasil, que se foi na quinta-feira 2, perto dali, dormindo em sua casa, vitimado por um enfarto fulminante, aos 63 anos. O velório dele está ocorrendo neste momento (11h39) na Assembleia Legislativa.

- Zé, por que você saiu do PT?

Ibrahim foi fundador do partido. Um quadro histórico do movimento sindical. Líder da famosa greve da Cobrasma, em 1968, vésperas do AI-5. Os trabalhadores tomaram a empresa por vários dias, cercado pela repressão ditatorial. Quando Ibrahim deixou o PT, estava na posição de presidente estadual em São Paulo. Pegou sua bagagem e rumou para o PDT de Leonel Brizola.

- Eu estava em plena campanha de filiações. Havia um grupo grande de trabalhadores em Osasco que queriam entrar para o partido. Mas, na prática, não havia espaço para eles e nem para um pensamento mais à esquerda do que permitia a direção nacional. Fui acumulando problemas de relacionamento, perdendo apoio político interno.
E arrematou:

- Um dia, cheguei para o Lula e o Zé Dirceu, depois de muitas conversas sobre essas dificuldades, e disse: 'Vocês não querem que eu traga para o partido trabalhadores que estejam à esquerda de vocês. Assim, o melhor mesmo é eu ir embora".

E se foi, prestigiado por Brizola, organizar a campanha presidencial dele em 1989.

- Faltou pouco. Brizola sempre foi correto comigo, deixou que eu trouxesse o meu pessoal, mas nunca compreendeu a importância de São Paulo para vencer nacionalmente. Acontece.

Sem ter demonstrado qualquer problema de saúde, na conversa com 247 Ibrahim falou sobre a greve da Cobrasma, que o tornou, para o bem e para o mal, famoso. Neste relato, fez mais uma revelação inédita:

- Primeiro que não foi só a Cobrasma que parou. Todas as metalúrgicas de Osasco pararam. A resistência não foi difícil, porque os trabalhadores estavam unidos. Mas havia muita pressão e medo. Uma invasão policial poderia acontecer a qualquer tempo. Havia um capataz na fábrica que foi muito correto, nos avisando sobre os movimentos da polícia. Numa tarde, os diretores da fábrica se reuniram com a gente, do lado de fora da empresa, nos acusando de prender outros diretores em cárcere privado, lá dentro.

- E?

- E eu disse a eles que os diretores só estavam lá dentro, sem poder sair, porque se saíssem seriam malhados pelos trabalhadores. Não podíamos garantir a segurança física deles. Por acordo, entramos todos para dentro da fábrica, avisei que o capataz iria falar e ele pode apresentar seus argumento. Adiantou pouco, porque a greve continuou. Nós não éramos radicais, as condições de trabalho é que eram péssimas.


- Anos depois, lembrou Ibrahim, me ligou o Luis Eulálio Bueno Vidigal. Ele era, então, o presidente da Fiesp. Eu já voltara do exílio. Perguntou como eu estava e disse que queria falar comigo. Me prontifiquei a ir à Fiesp, mas ele me disse que tinha de ser na Cobrasma. Quando cheguei lá, na sala da presidência, ele começou a apontar os cantos em que os ex-diretores, entre eles seu pai, havia ficado retidos durante a greve de ocupação da fábrica. Guardou aquele ressentimento durante anos, mas não deixou de demonstrá-lo com essa certa elegância da classe dominante.

Preso pelo regime militar, em razão de sua atuação sindical, Zé Ibrahim entrou na troca de presos políticos pelo embaixador americano Charles Elbrick, no sequestro do qual participou o jornalista Fernando Gabeira. Perguntei a respeito do exílio e ele contou:

- Fomos para Cuba. Me aproximei de Zé Dirceu. Fizemos treinamento de guerrilha juntos. Depois, resolvi me aprofundar em cursos de guerrilha urbana. Acho que ainda sei como fazer parar uma cidade (rs). O Zé foi fazer o curso de segurança, propaganda e agitação. Teve aulas com os agentes secretos da União Soviética, de Cuba e também da Alemanha Oriental, que eram os craques do setor. Gosto muito do Zé Dirceu. Nossas divergências sempre foram expostas em pratos limpos. Aos que vem me perguntar se ele traiu alguma vez os trabalhadores, digo que nunca isso aconteceu. Ele é genuinamente comprometido com a classe operária.

Coloco o nome de Lula na conversa.

- Sempre foi amigo. Quantas vezes não me chamou para a casa dele para tomarmos uísque e falarmos de política. Outras tantas ele perguntava, naqueles tempos, se eu tinha lá em casa uma pinga que ele gostava. E dez minutos depois aparecia para falarmos longamente. Ele construiu o PT, mas o problema comigo foi essa hemegonia que ele e seu grupo mais próximo sempre quiseram ter. Acho que, nisso de não deixar o partido ser mais de esquerda, ele errou. Mas sempre foi um grande companheiro. Na geração de Lula, Alemão e Osmarzinho mobilizavam até mais que ele, mas também nunca houve espaço para eles crescer. Acho que, entre grandes lideranças como o Lula, isso de querer a exclusividade é algo compreensível e normal. Foi desse jeito que avançamos até aqui. Tudo bem!

Ficamos de falar mais. Pergunto o que ele anda fazendo. Com um sorriso, respondeu:

- O mesmo que eu fiz a vida inteira. Sindicalismo e política, ué!

Zé Ibrahim, que trabalhava como assessor na União Geral dos Trabalhadores, deixa mulher, filho e uma grande história de serviços prestados ao Brasil.

Abaixo, noticia sobre a morte do sindicalista publicada pelo portal G1:

Morre José Ibrahim, líder sindical que liderou oposição à ditadura em 1968
Ele foi um dos presos políticos trocados por embaixador americano.

Corpo está sendo velado na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Do G1 em São Paulo

15 comentários

Morreu nesta terça-feira (2) o sindicalista  José Ibrahim, de 66 anos, líder da greve de Osasco em 1968, à frente do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Osasco, um dos primeiros movimentos de resistência à ditadura militar.  O corpo passa por autópsia e deverá ser velado na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Ibrahim assisitiu a um jogo de futebol pela televisão na noite de quarta-feira (1) e depois foi para seu quarto. A mulher o filho saíram para trabalhar pela manhã e o deixaram dormindo. O corpo do sindicalista foi encontrado pela família no início da tarde.

Ex-integrante do PT,  Ibrahim ocupava atualmente a Secretaria de Formação Política da União Geral dos Trabalhadores (UGT).

O Partido Social Democrático (PSD) publicou em seu site uma nota de luto pela morte do sindicalista, um dos coordenadores do PSD Movimentos. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lamentou a morte de Ibrahim.

"Em 1968, ainda jovem, José Ibrahim atuou para organizar os trabalhadores de Osasco e, defendendo seus ideais, enfrentou a prisão e o exílio. De volta ao Brasil, ajudou a fundar o PT  e seguiu militando no movimento sindical até o fim de sua vida. Neste momento de perda, estendemos nossa solidariedade para todos os amigos e parentes de José Ibrahim", diz a nota, assinada por Lula e dona Marisa.

Após a greve de Osasco, Ibrahim foi demitido sem receber pelos direitos,  passou a viver como clandestino e entrou para  a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR).  Preso, foi torturado e mais tarde integrou o grupo de 15 presos políticos trocados pelo embaixador  dos EUA Charles Burke Elbrick em setembro de 1969. Ele viveu dez anos no exílio.






As 10 postagens mais acessadas

Postagens antigas

Seguidores deste blog

Curta e compartilhe

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato