Novo endereço

Este blog mora em outro endereço. Acesse +Cartas e Reflexões Proféticas e divulgue, por gentileza!

Pesquisar este blog

domingo

Tentativa de fazer do STF um pólo de golpes de Estado como no Paraguai





Amigo Abinel

Há dias não me refiro a nada referente ao Supremo Tribunal Federal nem ao falso mensalão que Joaquim Barbosa e outros seus colegas de baixa fidelidade à democracia e à justiça inventaram, para satisfazer a sede de golpe da mídia servil do imperialismo e da direita amante do ódio e do roubo das riquezas do povo.  Porém, acompanho com certa emoção as movimentações de José Dirceu. Este, ao receber as decisões injustas do tribunal da casa grande (o tribunahaaaa, como o pronuncia o deplorável Marco Aurélio), esmagou-se à espera da prisão ameaçada pelo Joaquim e pelo cara de balão mofado, Roberto Gurgel. Felizmente Dirceu acordou para sua fidelidade ao País e à tradição de lutas. Percorre o Brasil em grandes mobilizações para conscientizar os militantes de seu partido e de outros progressistas de que devem aprofundar a compreensão do papel da militância nesses tempos em que a direita ladra amedronta-se temendo as eleições em 2014, já que levou uma surra sem igual nas de 2012. O Dirceu, embora ainda muito limitado a achar que o seu PT sozinho seja capaz  de aprofundar as mudanças, assume-se  mais dignamente na luta, sem se esconder debaixo de alguma cama a espera das decisões do grosseiro Joaquim Barbosa e do cara de balão mofado, Roberto Gurgel, que corre riscos de impeachment por ser prevaricador, chantagista e mentiroso. 

Novo fato em torno do Presidente da Câmara dos Deputados, senhor Henrique Alves, que reagiu às ameaças do candidato a tirano Joaquim Barbosa, ao afirmar que quem decide sobre os deputados condenados pelo tribunahaaaa (do Marco Aurélio) é Câmara e não o Supremo. O Deputado Henrique Alves tem razão. Quem caça mandatos de deputados é a Câmara e não o tribunahaaaa do Joaquim, do Marco Aurélio, do Gilmar Mendes e do Celso Mello (branquelo com sotaque afrancesado). O medo dessa turma do PSDB-DEM-PPS, ao ameaçar a Câmara, é de que esta revele as falsidades e mentiras do julgamento da Ação Penal 470, mentirosamente apelidada de “mensalão do PT”. Temem que na Câmara se construa um pólo essencial que é o direito de defesa, completamente negado pela turma de juízes comandados pela mídia e seus lacaios. A mídia golpista começou a dizer que Lula abandonará José Genuíno e os outros deputados condenados pela farsa do inferior “tribunahaaaaa”, aconselhando suas cassações imediatamente, para virar rapidamente essa página do “mensalão.”

Sinceramente duvido de que Henrique Alves seja enrolado pela mídia, de que ninguém na Câmara se levante para denunciar o golpe. Críticas devem ser feitas a muitos parlamentares picaretas e descomprometidos com o povo, mas há mais muitos/as patriotas no parlamento, inteligentes e sérios. Eles/as não baixarão a cabeça às pretensões abestalhadas e aspirantes de ditadura de um despreparado e carregado de ódio, como Joaquim Barbosa, que traiu os propósitos de sua indicação como um dos milhões de negros brasileiros para integrar uma corte que realmente fosse um Superior Tribunal Federal, pronto a defender a Nação e sua constituição e não a um grupelho de corruptos e entreguistas.  

Abaixo posto excelente artigo do dr. Sérgio Cruz sobre esse debate. Sua análise é excelente. Vale à pena lê-lo para entenderes as tentativas de golpe e os caminhos a seguir para que o País enfrente a tais manobras e avance muito mais.

Abraços críticos e fraternos na luta pela justiça e pela paz.

Dom Orvandil: bispo cabano, farrapo e republicano.

****************************************************************************


Barbosa quer fazer do Congresso balcão de homologação do STF  

Para ele, “independência e convivência harmônica entre poderes” é o legislativo submisso às suas determinações


O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) ministro Joaquim Barbosa, insiste em desrespeitar o Congresso Nacional e disse que os parlamentares não podem decidir coisa alguma sobre a AP 470. São "obrigados a obedecer ao Supremo", decretou. Tudo indica que parece ser essa a tal "independência e a convivência harmônica entre os poderes" a que Barbosa se referiu demagogicamente durante a abertura dos trabalhos parlamentares. Henrique Alves, novo presidente da Câmara dos Deputados, respondeu logo após a declaração de Barbosa: "Quem aprecia as formalidades legais, os prazos de defesa, os direitos de defesa, esta parte compete a Câmara fazer, como assim pensaram quatro ministros do Supremo na votação de cinco a quatro", explicou o deputado.



A reação dos golpistas da mídia à intenção manifestada pelo presidente da Câmara dos Deputados logo após sua posse, de seguir as normas da Constituição na questão da análise da situação dos parlamentares condenados pelo STF, confirma que eles querem afrontar o Poder Legislativo. Henrique Alves afirmou na terça-feira que cabe à Casa dar a última palavra sobre a perda de mandato de deputados condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). "Quem declara a perda de mandato, vacância do cargo e a convocação do suplente é a Câmara dos Deputados", disse. 



Foram condenados pelo controverso julgamento do STF, os deputados João Paulo Cunha (PT-SP), Pedro Henry (PP-MT) e Valdemar Costa Neto (PR-SP). Valdemar foi condenado a sete anos e dez meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Já Henry recebeu a pena de sete anos e dois meses pelos mesmos crimes. João Paulo, que presidia a Câmara na época, teve decretada a punição de nove anos e quatro meses acusado de corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro. José Genoino (PT-SP), que assumiu o mandato em janeiro, foi condenado a seis anos e nove meses de prisão por suposta corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato. 

A mídia reagiu furiosa às declarações de Alves e requentou as "denúncias" que tinha feito contra ele durante toda a sua campanha pelo cargo. Chamou de corrupto, fisiológico, arrogante e outros impropérios contra o parlamentar. Agora, após uma reunião formal entre o presidente da Câmara e o presidente do STF, realizada nesta quarta-feira (6), ela tenta manobrar com o claro intuito de indispor o deputado com seus pares. Alardeia que ele teria recuado da defesa da autonomia do Congresso. 

Ele disse que "não há a menor possibilidade, o risco de confronto entre o Legislativo e o Judiciário é zero". Segundo Alves, o recado para quem pensar diferente é: "tire o cavalinho da chuva". Os colunistas de aluguel se apressaram a insinuar que quem está jogando para o confronto são os parlamentares que defendem o Congresso. Mas é exatamente o contrário. Quem vai ter que tirar o cavalo da chuva na tentativa de passar por cima do parlamento brasileiro e impedir que os deputados se defendam é o ministro-relator do processo, Joaquim Barbosa, e sua turma de golpistas.

Mostrando que a intransigência é Joaquim Barbosa querer cassar os parlamentares a toque de caixa e sem direito à defesa, o presidente da Câmara acrescentou que a Casa "vai cumprir o seu dever sem conflitos, sem confronto, e num processo rápido, porque isso interessa ao povo brasileiro, ao Judiciário e ao Legislativo". De acordo com Henrique Alves, o processo será rápido e cumprirá o que diz a lei. "As formalidades legais não podem implicar em muito tempo", acrescentou o parlamentar, mostrando que de sua parte tudo vai correr dentro da lei.

E o que diz a lei? O artigo 55 da Constituição é claro e específico sobre o assunto da perda de mandato parlamentar. Em seu § 2º, a Constituição não deixa dúvidas de que a decisão sobre a perda de mandato é da Câmara ou do Senado. Veja o que diz esse parágrafo: "Nos casos do inciso VI (sofrer condenação criminal em sentença transitada em julgado) a perda do mandato será decidida pela Câmara dos Deputados ou pelo Senado Federal, por voto secreto e maioria absoluta, mediante provocação da respectiva Mesa ou de partido político representado no Congresso Nacional, assegurada ampla defesa". Parece que o que mais irrita Barbosa, e alguns outros integrantes da Côrte, é este último item: "assegurada ampla defesa". Eles ocultaram provas e cercearam a defesa durante o julgamento do suposto "mensalão" e agora querem impedir que ela exista também no Congresso Nacional. Por isso estão tentando atropelar a autonomia do Legislativo.

A posição de diversos parlamentares [o ex-presidente Marco Maia e o atual vice-presidente da Câmara, André Vargas, também se somaram a Henrique Alves] foi reforçada hoje pela declaração do novo integrante do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Sérgio Kukina. "[O legislador] não inseriu na Constituição regras desnecessárias e quando diz que é preciso que haja convalidação e chancela do Congresso, é preciso que se observe a Constituição", disse Kukina, no ato de sua posse (veja matéria nessa página). Segundo o novo ministro, "não cabe ao Judiciário pensar que o Congresso não cumpriria uma decisão que lhe garantisse mais autonomia". 

Henrique Alves revelou-se também um óbice ao absurdo e descabido pedido de prisão imediata dos condenados, feito por Roberto Gurgel, procurador-geral da República. Ele disse que cabe à Casa "finalizar" o processo do mensalão. Com isso, Alves lembrou que o processo ainda nem foi concluído no Supremo e nem na Câmara dos Deputados. "Faltam ainda procedimentos de publicação da decisão e a análise de recursos da defesa", ressaltou. Só depois de tudo isso é que os deputados poderão ser julgados por seus colegas.

A mídia golpista, que tangeu o STF e pressionou de todas as formas possíveis pela condenação dos réus da AP 470, continua insistindo em sua farsa e, agora, tenta impedir que eles se defendam no Parlamento. Querem decisão sumária, como na Inquisição. Seguem distorcendo e mentindo para impedir que a verdade venha à tona. O que eles escondem da opinião pública é que não houve desvio de dinheiro público e não existiu mensalão nenhum. As provas disso são fartas e evidentes, mas foram desprezadas durante o julgamento. Uma delas é um documento oficial do Banco do Brasil, dirigido ao ministro-relator, e que veio à tona no início desta semana, confirmando cabalmente que não houve dinheiro público no chamado "mensalão". Barbosa simplesmente escondeu esse parecer do BB e não o incluiu em seu relatório. No julgamento da Câmara, com direito à ampla defesa - negada durante o processo no STF -, essas questões poderão ser esclarecidas. É isso que Barbosa e Gurgel não querem de jeito nenhum. Como disse Alves, vão ter que tirar o cavalo da chuva.



SÉRGIO CRUZ

As 10 postagens mais acessadas

Postagens antigas

Seguidores deste blog

Curta e compartilhe

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato