Novo endereço

Este blog mora em outro endereço. Acesse +Cartas e Reflexões Proféticas e divulgue, por gentileza!

Pesquisar este blog

quinta-feira

A luta pela justiça derruba o padroeiro do mal e descontrói seus seguidores











Prezada Márcia


Ainda nessa segunda-feira conversávamos sobre as barbaridades e contradições do Estado de Goiás. Aqui vive com um povo generoso e trabalhador, que ergue riquezas nacionais vetustas e maravilhosas, apesar do mau governo, determinado por fantástico nível de corrupção e de mentiras, completamente de costas para o povo e para os pobres. Por outro lado, nuvens compostas por uma casta apodrecida pairam sobre a sociedade como verdadeira ameaça de violências e influências sobre todos os âmbitos, inclusive sobre as instâncias de poder. Não é por acaso que a ONU apontou em 2008 esta capital como sede da maior concentração de renda e de riquezas da América Latina. Quem olha com cuidado para os palácios residenciais, para automóveis importados de alto luxo, para as fazendas e propriedades de esbanjamento tanto aqui quanto em Caldas Novas e no Rio Araguaia, para lojas especializadas em quinquilharias banais de consumo fútil da burguesia igualmente fútil, percebe a ostentação e os desvios das riquezas que os trabalhadores produzem. Mesmo numa cidade movimentada por milhares de trabalhadores que moram, que se transportam e que se alimentam mal, há quem sem consciência da justiça social os ignore, concentrados em si mesmos, iludidos com a idéia de que todos deveriam se render em gratidão esses verdadeiros vassalos da riqueza que não produzem. Até mesmo a arte que fazem é no sentido de facilitar a concepção de que são eles que mandam, e fim de papo. A prova de a arte é usada para encobrir a dominação dilacerante está na ridícula e agressiva estátua do bandeirante Anhanguera, ostensivamente fincada no cruzamento das avenidas Goiás e Anhanguera, um dos mais bandidos do período colonial, calçando botas de colonizador opressor, ao lado de uma espingarda, símbolo do assassino e criminoso que matou e mandou matar milhares de indígenas, graças à ganância por ouro. Como disse um antropólogo meu amigo ao circundar e cuspir nomonumento ao diabo: “haverá um dia em que haveremos de destruir essa e todas as estátuas dos opressores”. Os indígenas vítimas dos atos deram o apelido de Anhanguera ao invasor e assaltante Bartolomeu Bueno da Silva por o considerarem diabo velho (isso quer dizer anhanguera), como garantem professores com quem conversei, graças as crueldades que esse triste personagem da escravatura praticou através maus tratos aos nossos irmãos indígenas, ao assaltar suas riquezas. 


Pois bem, querida Márcia, aqui em Goiânia e em Goiás, Estado e capital que se destacam reiteradas vezes pelos crimes e sujeiras de Demóstenes e Marconi, agora novamente com outro do mesmo campo da dominação, o senhor Maurício Borges Sampaio, um dos maiores tabeliães de Goiás e acusado de assassinar o radialista Valério Luiz de Oliveira, é notícia nacional. As notícias dão conta de que esse senhor, amigo do Padre Luiz, este altamente conservador e líder do atrasado movimento carismático, que o visitou na cadeia -  segundo o padre porque Maurício é um grande benfeitor de obras sociais da igreja -  é  o acusado de ser mandante da morte de Valério.  Quem sabe Anhanguera como diabo velho é o padroeiro de Maurício? Segundo as notícias que informam sobre o inquérito que investiga o acusado de mandar matar o radialista, Maurício tentou fazer o que os conservadores fazem com o povo em nível nacional: pressionou a emissora de rádio onde Valério trabalhava a demiti-lo. Chegou a chantagear seus proprietários com oferecimento de dinheiro para que sua vontade de calar o rapaz fosse feita. Esse método é bem conhecido por todos nós.


Consta do inquérito, segundo as notícias, que Maurício proibiu Valério de entrar nos espaço do clube de futebol do qual era vice-presidente. Isto é, suas práticas são bem do estilo dos opressores associados diabolicamente com as ditaduras, com a falta de respeito às liberdades democráticos, com o direito à crítica e à opinião diferente da sua. Como não conseguiu calá-lo justamente porque aquele profissional era determinado e corajoso, teria planejado sua morte, seguro da impunidade e de que suas costas eram quentes, graças aos entrelaçamentos de privilégios com a justiça, com associação de juízes e desembargadores. Seu tabelionato é muito ligado a muita coisa que precisa ser investigada e corajosamente revelada. Certamente tudo virá à tona com esse inquérito e com essa investigação, mesmo numa terra em que se ameaçam juízes, delegados de polícia, policiais limpos e cônscios de seus deveres para com a cidadania e até pessoas militantes da justiça e da paz. 

Ontem, numa entrevista a uma emissora de TV, o corajoso pai de assassinado Valério disse que se a justiça “soltar” Maurício Borges Sampaio a família toda deveria se hospedar no Palácio da Justiça, tal o nível de terror que vivem sob as ameaças do acusado de assassinato. 


É dever do judiciário e até imposição social que se julgue e puna exemplarmente esse devoto de Anhanguera. A luta pela democracia tem que incluir a apuração e revelação dos bandidos reais de sempre, dos que agem nas trevas, dos que almoçam e festejam com juízes, com governadores, com prefeitos, com comandantes da policia e dos militares, com padres, arcebispos, pastores, com os que comungam com os grandes proprietários de tudo, com a intenção de frear a justiça. É preciso que a mídia, tão aprisionada por interesses mesquinhos, os movimentos sociais, os parlamentos e o povo, forcemos a barra que obstaculiza a verdade,  com o objetivo de erguer a paz e edificar monumentos aos que pela justiça e pela paz verdadeiramente lutam. A esses a honra justa e àqueles a justiça que pune e corrige. 


Abraços críticos e fraternos sempre na luta por justiça e pela paz!


Dom Orvandil: bispo cabano, farrapo e republicano.


As 10 postagens mais acessadas

Postagens antigas

Seguidores deste blog

Curta e compartilhe

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato