Novo endereço

Este blog mora em outro endereço. Acesse +Cartas e Reflexões Proféticas e divulgue, por gentileza!

Pesquisar este blog

quinta-feira

Isso sim é corrupção e o povo é que paga, de novo. É de arrepiar



 O Conversa Afiada (Site de Paulo Henrique Amorin) reproduz trechos de um artigo enviado pelo navegante Paulo Flores.

O texto dá nexo a informações que vinham sendo divulgadas sem que se estabelecesse o que ele chama de “fio da meada”.

A cronologia da decisão judicial é, por si mesma, esclarecedora.

É de arrepiar e de dar nojo.

Paulo Henrique Amorim

O fio da meada: TJ-SP, PM, Alkmin e Naji Nahas

Marques Casara:

“Todo jornalismo é investigativo. Se não é investigativo não é jornalismo”


O Tribunal de Justiça – SP , o comandante da PM e o gov. Geraldo Alckmin não tinham outra saída além de atender Naji Nahas

Com armas de combate e carros blindados, a Polícia Militar de São Paulo realizou uma operação de guerra em São José dos Campos. Colocou helicópteros, cães, armamento, escudos, ROTA, tropa de choque, quase dois mil homens a serviço da “reintegração” da ocupação Pinheirinho.

Em 2004, com mais de 1 milhão de metros quadrados, Pinheirinho era um terreno abandonado. Começou a ser ocupado por famílias pobres da região do Vale do Paraíba – entre São Paulo e Rio de Janeiro.

Em 2012, quando as tropas chegaram, seis mil pessoas viviam no Pinheirinho. Tornou-se um bairro pobre como qualquer outro, com lojas, igrejas, esgoto a céu aberto, ruas de terra, biroscas, miséria, casas em situação precária.

O terreno pertence à Selecta S/A, uma empresa falida controlada por Naji Nahas.

(…).
Ação entre amigos

Existia uma negociação avançada para resolver o problema sem o uso da força. Por conta disso, por duas vezes, o Tribunal Regional Federal (TRF) caçou a liminar que determinava a reintegração de posse: na sexta feira e no próprio dia da invasão, domingo.

Nada disso foi levado em conta. Mesmo no domingo, quando a ordem do TRF foi enviada diretamente ao comando das operações no Pinheirinho.
Quem recebeu o oficial de justiça foi … o desembargador Rodrigo Capez, que respondia pela presidência do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).
Capaz  … (deu)  uma “carteirada” no oficial de justiça do TRF.

A ação da Polícia Militar continua, anunciou o desembargador (diante de várias testemunhas, entre jornalistas e parlamentares  – PHA).

Segundo a Ordem dos Advogados do Brasil, ao fazer isso Capez rompeu o “pacto federativo”.

Mas quem se importa? O que acontecia ali era algo mais importante: …

Entenda por quê:

O desembargador Rodrigo Capez é irmão do deputado estadual Fernando Capez, do PSDB, o mesmo partido do governador Geraldo Alkmin, o mesmo partido do prefeito de São José dos Campos, Eduardo Cury.


Essas pessoas … (do PSDB) Frequentam os mesmos jantares, tem os mesmos .., são amigos de gente que é muito, mas muito amiga de Naji Nahas.

Por isso, o prefeito Eduardo Cury não fez o que deveria ter feito para proteger o seu povo: desapropriar o terreno e inscrever os moradores em um programa habitacional.

De fato, o terreno só pertence (ainda – PHA) a Naji Nahas porque o prefeito Eduardo Cury … a favor do megainvestidor. Pois da massa falida da Selecta, o único credor que ainda falta ser pago é…

…adivinhe?

Sim, o município de São José dos Campos.

A Selecta deve 10 milhões só em IPTU atrasado.

O terreno deveria ter sido desapropriado e inscrito no programa habitacional do governo federal, o Cidade Legal.

Esse assunto, inclusive, seria tema de uma reunião entre o prefeito e o secretário geral da presidência da república, Gilberto Carvalho, na quinta feira 19.

Inesperadamente, o prefeito cancelou a reunião com Carvalho, sem dar motivos.

Ele (talvez já soubesse – PHA) da invasão e nesse momento  a favor de Naji Nahas.

Para … o megapicareta, empastelou a negociação com o governo federal.

… a reintegração de posse nunca deveria ter sido emitida.

Está baseada em um documento caduco. A história é mais ou menos assim: A primeira liminar de reintegração foi emitida pela 18ª Vara de Falências de São Paulo. Essa liminar foi cassada, pois a Vara da capital não pode discutir posse de área em outra cidade.

A massa falida (Nahas – PHA) então pediu reintegração à 6ª Vara Civil de São José dos Campos, que negou a ação de reintegração.

A massa falida (Nahas – PHA) então recorreu ao TJSP, que agora autoriza, mas não avisa o juizado de São José, o que caracterizou erro processual.

Por conta do erro, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) anulou todo o recurso da massa falida (Nahas – PHA).

Agora pasme: baseado no recurso que começou na Vara de Falência de São Paulo e foi anulado pelo STJ, a juíza Márcia Loureiro, de São José dos Campos, reabriu o processo que culminou com a invasão da PM…

Essas coisas não acontecem por acaso.

A começar pelo … que faz parte da base de Alckmin, que é do mesmo partido do prefeito, que  … de Naji Nahas, que é amigo de Daniel Dantas.

Daniel Dantas ???

Mas o que uma coisa tem a ver com outra?

Dantas e Nahas foram sócios em operações criminosas descobertas pela operação Satiagraha … (sujeita a recurso do Ministério Público Federal, para que ressuscite em sua plenitude– PHA).

A dupla, mostraram as investigações, … políticos e juízes como quem troca de camisas…

Durante as privatizações do governo Fernando Henrique Cardoso, Dantas e Nahas ganharam rios de dinheiro em esquemas envolvendo estatais.

Você sabe, Fernando Henrique, que é do PSDB, o partido do prefeito, que é o partido do governador, que é o partido do deputado, que é irmão do desembargador.


O Tribunal de Justiça de São Paulo,  o comandante da Polícia Militar, o governador Geraldo Alckmin não tinham outra saída além de atender Nahas.

Paulo

 

Fonte: Conversa Afiada

As 10 postagens mais acessadas

Postagens antigas

Seguidores deste blog

Curta e compartilhe

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato