Novo endereço

Este blog mora em outro endereço. Acesse +Cartas e Reflexões Proféticas e divulgue, por gentileza!

Pesquisar este blog

quinta-feira

Leonardo Boff apresenta Benjamin Forcano sobre a guerra demente

 
05/09/2013

Benjamin Forcano é um teólogo español sempre comprometido com as questões sociais e grande apoiador da teología latino-americana. Publicamos aquí dados da máquina de morte norte-americana no Oriente Médio. Oxalá não sirva para deslanchar uma guerra de proporções incontroláveis. Lboff

**************** 

Em marcha a loucura de uma nova guerra













        Nesses tempos temos que forçar as condições para se tornarem realidade as palavras da Carta das Nações Unidas : "Nós os o povos temos que a preservar as gerações vindouras do horror da guerra."  Mas não são os povos, mas as elites loucas que, mais uma vez, pretendem impor à humanidade a destruição de uma nova guerra.

         
Nós seguimos o curso diário de nossas vidas, é a sociedade, mas nos bastidores  de nós, às nossas costas,  estão acelerando os preparativos para uma nova guerra.

         
Estados Unidos tem mais de 60 bases e instalações militares no Oriente Médio com o Comando Central, no Qatar , reforçaram a sua frota no Golfo Pérsico, aumentando o número de operadoras, incluindo vários nuclear em novembro de 2011 testou um novo míssil hipersônico " Prompt global Strike ", lançado a uma velocidade de 6.000 km. por hora. Em  qualquer parte do mundo tem uma nova bomba chamada "Ordnance Penetrator maciça , armada com uma cabeça de urânio, capaz de penetrar 60 metros de concreto (38 m. hard rock ), tem uma despesa de defesa chega a 50 % dos gastos militares globais, que dobrou na última década para alcançar a cifra de $553.000.000.000. Podem ser estranho que o Professor Veronsesi diga que Estados Unidos, por sua tradição ocidental, continuam com uma opção violenta como instrumento de controle e dominação ?

         
Os dados apresentados são preocupantes na medida em que o poder das minorias nacionais se impõe e contradizem sem alma o sentimento da maioria da sociedade.

        
Todas as guerras são dementes, mas as de hoje são muito mais. No entanto, com o seu enorme poder de mídia, conseguem esconder que a demência e apresentará como imperativas contra outros males maiores que viriam sem a guerra. E assim começam a enrolar-nos com sua retórica hipócrita. Sabemos disso e temos experimentado uma e outra vez nas guerras no Iraque e no Afeganistão. Mas conseguiram paralisar nossa ação e conduzir arrogantemente que o esperado seria um triunfo. Agora, retire o amargor do fracasso. Mas voltam sem aprender, condenados a continuar os fatais interesses imperialistas, mesmo que isso custe milhões de vidas e dilacerem até a medula o resto da humanidade.

         
O clamor crescente contra a guerra brota do coração das pessoas. Preparamos nossas mentes para não repetir mais tal loucura.

     
A desigualdade é a pedra angular de toda a história e fundamento subjacente à vantagem e superioridade de algumas nações sobre outras, coloniais e imperialistas. Há, da parte daqueles que dizem defender mais a justiça e o direito internacional, contradizendo-se a si mesmos ao transgredir. Basta ler os dois primeiros artigos da Carta das Nações Unidas :

          
"Os propósitos das Nações Unidas são: 1. Manutenção da paz e segurança, e para esse fim : tomar medidas coletivas para a prevenção e remoção de ameaças à paz e reprimir os atos de agressão ou outra qualquer ruptura da paz e de trazer por meios pacíficos, e em conformidade com os princípios da direito e justiça internacional, um ajuste ou solução das controvérsias ou situações internacionais que possam levar à violação da paz . 2. Entre as nações relações de amizade baseadas no respeito ao princípio da igualdade de direitos e da autodeterminação dos povos e tomar as medidas apropriadas ao fortalecimento da paz universal "(Capítulo I, artigo 1 º ).

         
"Para atingir estes objetivos a organização e seus membros agem de acordo com os seguintes princípios : 1 . A Organização é baseada no princípio da igualdade soberana de todos os seus membros "( Capítulo I, artigo 2 º ).

         
A prática histórica de determinadas políticas nos leva a concluir que, na verdade, esta  igualdade é soberana apenas como fumaça. Quero aplicar  no momento presente a mesma ideia de quando ocorreu a guerra do Iraque escreveu Eduardo Galeano: "O presidente e dono do planeta anuncia seu próximo  crime em nome de Deus e da democracia. Então calunia Deus. E difama  também a democracia, que quase não sobreviveu no mundo, porque as ditaduras americanas são plantadas em toda parte há mais de um século."

         
A guerra como a que é  anunciada é totalmente injustificável e representa a morte de  grandes valores de convivência internacional justa, livre e pacífica.


(O Texto foi traduzido por mim).

Postagens antigas

Seguidores deste blog

Curta e compartilhe

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato