Novo endereço

Este blog mora em outro endereço. Acesse +Cartas e Reflexões Proféticas e divulgue, por gentileza!

Pesquisar este blog

sexta-feira

Olhar sobre uma porta que se abre




Do editor Murilo, do Conversa Afiada:


O Papa pediu para ler o livro de Boff.

É um papa que prefere ler livros a invés queimá-los.

Do português Público:

Leonardo Boff: “Francisco é um libertador sem usar a expressão Teologia da Libertação”




Onde está Leonardo Boff, protagonista da Teologia da Libertação, afastado pelo Vaticano enquanto padre? Nos arredores de Petrópolis, plena serra imperial. Mas tão activo que, com o apoio da igreja brasileira, continua a casar, baptizar e enterrar onde faltam padres, e faltam muito. Além disso, acaba de lançar mais um livro: Francisco de Assis e Francisco de Roma: uma nova primavera na Igreja? O Papa soube, disse que gostaria de o ler e o cardeal do Rio, dom Orani João Tempesta, vai entregar-lhe um exemplar dedicado.

“Esta visita será importante para o mundo inteiro”, diz Boff por telefone, desde a serra. “Vai permitir ver a linha política, teológica. Ele vem num momento de grande inquietação da juventude. Já declarou em Roma que os políticos devem escutar a voz da rua e que os protestos são legítimos.”

Resta ver como isso se confirmará: “Ele fará dois tipos de discursos. Um dirigido aos políticos, cobrando transparência, atenção à rua, abertura à participação popular. Outro dirigido aos jovens, com um apelo à vitalidade, para ajudar à transformação: não que sejam melhores cristãos, mas que sejam melhores pessoas. Fará uma crítica dura à violência dos vândalos, mas a tónica será positiva.”

E não centrada no reforço da igreja. “O foco é a desigualdade, a fome, evitar uma possível catástrofe mundial. Como a igreja pode ajudar a humanidade a superar a sua crise.” Uma visão diferente da anterior, diz. “Os dois últimos Papas viam a igreja como uma fortaleza sendo atacado por todos os lados, mas era uma fortaleza em ruínas, cheia de pedófilos, padres, bispos, três cardeais. E corrupção financeira, com os escândalos do Banco do Vaticano utilizado pelas máfias. Quando Bento XVI recebeu o relatório com tudo isso, disse: não tenho força psíquica nem física. E abdicou.”

O seu sucessor “é um Papa do Terceiro Mundo, da América Latina, e a igreja aqui fez opções muito importantes pelos pobres desde os anos 50″. Daí veio a Teologia da Libertação, movimento que o Vaticano veio a condenar como pró-marxista.

“Francisco é um libertador sem usar a expressão Teologia da Libertação. É um Papa para reforçar as pastorais sociais, dos sem-tecto, das mulheres, dos indígenas, do ambiente. Ele vem desse tipo de igreja, que não é romana, europeia e vai continuar a linha dessa igreja. O discurso dele é o que fazemos há muitos anos. Ele próprio diz que é um peronista, da teologia da cultura popular. Faz críticas duras ao sistema capitalista global, que está a martirizar países como a Grécia e Portugal. Ele vai fazer polémica contra isso, reconciliando a comunidade teológica.”

Conheceram-se em 1970. O actual Papa era então o padre Bergoglio. E Boff, franciscano, dá grande importância ao facto dele, sendo jesuíta, ter escolhido chamar-se Francisco. “Não é um nome, é um projecto de igreja. Ele escutou esse apelo franciscano: vai e restaura a minha igreja arruinada. É um jesuíta sagaz com espírito franciscano, que pode fazer intervenções duras. Tem uma bondade, um desapego pessoal, e mão firme.”

Fundamental para enfrentar “uma Cúria com mais de 1000 anos e 1000 mecanismos”, sublinha. “Então ele escolheu oito cardeais do mundo inteiro. Será o primeiro governo colegial para dirigir a igreja. Juntos vão fazer a reforma.”


Acesse e "curta" + Cartas e Reflexões Proféticas no Facebook 

As 10 postagens mais acessadas

Postagens antigas

Seguidores deste blog

Curta e compartilhe

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato