Novo endereço

Este blog mora em outro endereço. Acesse +Cartas e Reflexões Proféticas e divulgue, por gentileza!

Pesquisar este blog

sábado

Com Niemeyer no "combate comum por um mundo melhor"

Oscar Niemeyer e os "condenados da terra"

Por  Salim Lamrani

Se só se tivesse que lembrar uma coisa do genial arquiteto brasileiro, seria a lealdade a seus princípios.
 

O que se pode lembrar de Oscar Niemeyer, o mais famoso arquiteto brasileiro, cuja obra artística já faz parte do patrimônio da humanidade? A esplêndida e extraordinária catedral de Brasília? O fabuloso Palácio da Alvorada? A imponente e magistral sede das Nações Unidas em Nova York? A majestosa Universidade Houari Boumediene de Argel? A surpreendente Casa da Cultura de Le Havre? Niemeyer é um revolucionário do espaço, um subversivo da harmonia, um eterno amante do insólito cujas realizações suscitam paixão e admiração por todo o mundo.


Efe (14/12/2007)

Para Niemeyer, "a esperança se encontra na América Latina, que deve se converter em 'um pólo de combate'"

Mas o essencial está em outra parte. Se só se tivesse que lembrar uma coisa do genial arquiteto, seria a lealdade a seus princípios, a fidelidade de seu compromisso comunista e seu amor pelos pobres da terra. “É necessário, antes de tudo, conhecer a vida dos homens, sua miséria, seu sofrimento para fazer arquitetura, para criar”, dizia.

Niemeyer jamais ocultou sua aversão pelas injustiças de nossa época e não deixou de repetir que era importante empreender um “combate comum por um mundo melhor”. E a esperança se encontra na América Latina que deve se converter em “um pólo de combate, um pólo de resistência contra o imperialismo norte-americano”. As fontes de inspiração são numerosas: a resistência e a dignidade do povo cubano frente à desapiedada agressão dos Estados Unidos, o fervor e o entusiasmo revolucionários dos filhos de Simón Bolívar na Venezuela e do regresso de Túpac Amaru à Bolívia, assim como no resto do continente.

As novas gerações de artistas devem seguir o exemplo de Niemeyer, que tomou para si a máxima: “Não há arte sem ética”, com essa permanente preocupação com o futuro dos “condenados da terra”. Obrigado, Oscar.

*Doutor em Estudos Ibéricos e Latino-americanos da Universidade Paris Sorbonne-Paris IV, Salim Lamrani é professor titular da Universidad de la Reunión e jornalista, especialista em relações entre Cuba e Estados Unidos. Seu último libro se intitula Etat de siège. Les sanctions économiques des Etats-Unis contre Cuba, Paris, Ediciones Estrella, 2011, com prólogo de Wayne S. Smith e prefácio de Paul Estrade.

As 10 postagens mais acessadas

Postagens antigas

Seguidores deste blog

Curta e compartilhe

 
Desenvolvido por MeteoraDesign.Blogspot.com | Contato